Câmara outorga a Medalha Boticário Ferreira ao jornalista e jurista Dimas Macedo

Foto: André Lima

A Câmara Municipal de Fortaleza realizou nesta quinta-feira (10) Sessão Solene para a outorga da Medalha Boticário Ferreira ao jurista e jornalista Dimas Macedo. A homenagem foi solicitada pelo vereador Dr. Porto (PRTB), através do requerimento 2.272/2017, aprovado por unanimidade pelo plenário Casa Legislativa. A sessão foi presidida pelo vereador Dr. Porto, representando no ato, o presidente da CMFor vereador Salmito Filho (PDT). A mesa dos trabalhos foi formada por: Ubiratan Aguiar, ministro do TCU e presidente da Academia Cearense de Letras; Cláudia Martins de Saboia, corregedora da Procuradoria-Geral do Estado; Marcelo Mota presidente da OAB-CE; Renê Barreira ex-reitor da UFC e João de Lemos, presidente do Instituto Advogados do Ceará.

Em sua saudação ao homenageado e aos presentes, o vereador Dr. Porto iniciou sua fala lendo um trecho do livro “Lavras da Mangabeira” de Dimas Macedo. “Dimas, é uma honra muito grande estar lhe homenageando. Por meio de requerimento de minha autoria homenageamos a quem muito faz pela cidade de Fortaleza. A medalha é nossa forma de agradecer e aflorar a todos a se dedicarem as causas de Fortaleza”.

“Dimas é um homem muito especial, de vida dedicada as letras e a jurista, o poeta das Lavras. Natural de Lavras e que adotou Fortaleza. O simples fato de conversar com ele é uma alegria, poesia pura, Homenagear é portanto expressar nossa gratidão pelos relevantes serviços a poesia e a vida jurídica. Membro das Academia de Ciências Sociais, Academia Cearense de Letras. Escritor visceral. Sente-se a vontade como ensaísta, historiador e poeta incomum”, disse o vereador.

“Dedicado a escrita desde a década de 1980, já lançou dezenas de livros e acumula no currículo as funções de jurista, crítico literário e historiador. Tão somente pela obra intitulada ‘Liturgia do Caos’, que teve a primeira edição em 1996, um livro de poemas certeiros (em que são expostas questões existenciais que afligem o homem moderno de diversas formas), já justificaríamos a outorga em tela. Ou poderíamos agraciá-lo com a medalha Boticário Ferreira inspirados em sua outra obra, ‘Lavras da Mangabeira – Roteiros e Evocações’, que aborda a íntima relação do escritor/pensador com a cidade natal, através de recortes e pesquisa histórica em que conta a história de Lavras desde a sua criação, em 1816, até 2016”, pontuou.

“Mas não, o nosso mandato, voltado também à Cultura Cearense, em sua preservação, expansão, valorização, difusão em expressão mais legítima, reconhece o trabalho e a vida do ‘Poeta das Lavras’ pelo conjunto do que fez, dos seus pensamentos, de sua intervenção jurídica, enfim, por tudo que ele fez pelo engrandecimento do Estado do Ceará, em especial pela cidade que adotou desde os tempos de criança – a Fortaleza Amada”.

Frisou que a existência de Dimas encontra-se imbricada com a literatura, atividade a que se dedica de forma permanente, como se isso constituísse a sua própria razão de ser. Observou que Dimas tem sete livros de poemas publicados. Entre os mais conhecidos estão “A Distância de Todas as Coisas”, “Estrela de Pedra” e “Vozes do Silêncio”.

Detalhou que o homenageado é mestre em Direito, sem contar que é professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), membro da Academia de Ciências Sociais do Ceará e da Academia Cearense de Letras. “Daí nossa iniciativa oportuna de outorgar a Medalha Boticário Ferreira a esse Jurista e Escritor renomado, de quem muito a Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção tanto se orgulha”.

“Homenagear Dimas com a Boticário Ferreira é, portanto, uma obrigação, um dever nosso – dos fortalezenses. Acima de tudo, é um entendimento histórico sob a forma do justo e merecido preito de gratidão por todos os relevantes serviços prestados à cultura e à vida jurídica do município de Fortaleza, por tudo que o amigo Dimas Macedo representa. Você é essa pessoa querida e especial. É nesse momento que vemos a importância de homenagear pessoas que tanto fazem por nossa cidade. Você tenha certeza que é merecedor de todas as honras”, concluiu.

Em seguida o vereador Dr. Porto fez a entrega da Medalha Boticário Ferreira ao homenageado, ao lado de familiares e o certificado da honraria. Em seus agradecimentos, Dimas Macedo, declarou ser grato pela concessão do título, aprovado por unanimidade dos vereadores. Ele iniciou sua fala declamando um poema sobre Fortaleza, “Crônica Fortaleza de noite. Estou no argumento para viver a vida plena de sentimento, deslizo pelas ruas vendo a brisa, no frio asfalto a vida se eterniza (…) sou todo Fortaleza é assim casa do espírito é princípio é fim…”. Com essas palavras agradeço a medalha, e me pergunto as razão dessa honraria. Os 40 anos de magistério talvez justifique, mas tenho apenas duas mãos e sentimentos. Atravessamos esses tempos como se fossemos a ostra, o rumor que se funde com a concha. Sei que a vida é uma graça e cada dia desfruto com a beleza, dons e talentos que ele Deus me concedeu. Minha vida incompreendida as vezes. por quem não aceita minha liberdade”.

“A honraria que recebo hoje não cabe no meu contentamento. Sei que existem várias Fortalezas para agradecer, a da violência, a da falta de memória, a que dormita na Praia de Iracema, a da boemia, mas não podemos mensurar Fortaleza. Não existem praias, ruas ou espaços coletivos que eu não tenha palmilhado. Ventos, vinhos e sabores que não tenha experimentado. Ao vereador Portinho agradeço por me nomear como representante dos poetas literários. É com a alma dos que amam a liberdade é que aqui compareço para agradecer a maior das homenagens. Honrarei com vinho e silêncio, o título que fui agraciado, que ficará gravado na alma no fogo do incenso. O Boticário administrou essa urbe e o poço que ele cavou tornou-se o coração dessa cidade. Administrou Fortaleza com olhar no futuro. Curvo-me no exemplo do Boticário”.

Um amigo muito conspirou para eu aqui comparecer. Os que estão na mesa quero destacar de forma especial e os que estão no plenário também, minha irmã Marta Figueiras, que veio de São Luiz; Lúcia Cidrão, Pablo e Diego, Lúcia Macedo Maciel e Lúcia Maria de Macedo. “Um rio corre na alma e minha calma não denuncia aquilo que ocorre e não morre e se faz alento em minha vida. Um beijo pra vocês e muito obrigado”, finalizou.

Perfil

Filho de José Zito de Macedo (Zito Lobo) e de Maria Eliete de Macedo, Dimas Macedo nasceu em Lavras da Mangabeira/CE (no Sítio Calabaço), aos 14 de setembro de 1956. Estudou, em sua terra natal, no Grupo Escolar Filgueiras Lima e no Colégio São Vicente Ferrer, dirigido, este último, pelas Irmãs Beneditinas, tendo, em Fortaleza, cursado os colégios Joaquim Albano, Castelo Branco e João Hipólito de Azevedo e Sá, bacharelando-se em Direito, em 1981. Exerceu, na juventude, as funções de jornalista, optando, posteriormente, pela carreira de escritor e de jurista.

É Professor da Universidade Federal do Ceará, membro da Academia Cearense de Letras e da Academia de Letras e Artes do Nordeste, sediada esta última em Recife. Dimas é um dos escritores cearenses de maior produção, sendo autor dos livros: A Distância de Todas as Coisas (1980, 3a ed. 2001), Lavoura Úmida (1990, 2a ed. 1996), Estrela de Pedra (1994, 2a ed. 2005), Liturgia do Caos (1996), vozes do Silêncio (2003 e Sintaxe do Desejo (2006) todos de poemas.

No campo da crítica ou do ensaio é de sua autoria – Leitura e Conjuntura (1984, 3a ed. 2004), A Metáfora do Sol (1989, 3a ed. 2003), Ossos do Ofício (1992), Crítica Imperfeita (2001), Crítica Dispersa (2003), Ensaios e Perfis (2004), Ressonâncias e Alteridades (2004, 2a ed. 2007) e A Letra e o Discurso (2006).

Integra o Conselho Editorial de vários jornais e revistas culturais: revistas Espiral e Literapia (Fortaleza), revista Literatura (Brasília) e revista Morcego Cego (Santa Catarina), entre outros. Compõe também o Conselho Editorial das Edições UFC, o conselho de publicações da Editora Códice, o Conselho Editorial das Edições LivroTécnico e o Conselho Editorial do Museu -Arquivo da Poesia Manuscrita

Nos idos de 1990/1991, participou do Movimento Poesia Plural e, em maio de 1995, com Inez Figueiredo, João Dummar, Beatriz Alcântara, Juarez Leitão e outros escritores cearenses, criou o Grupo Espiral de Literatura, fundando, posteriormente, com José Telles, as Edições Sobrames (2001) e, com Pedro Henrique Saraiva Leão (1998), a Revista Literapia e as Edições Poetaria.

Poemas e textos literários de sua autoria foram vertidos para o francês, o inglês e o espanhol e publicados em Portugal, Espanha, Inglaterra, Argentina e Estados Unidos. É autor também de trabalhos estampados em jornais e revistas do Ceará e do Brasil. A sua produção, quer na cultura literária ou na área da reflexão filosófica, abrange um conjunto de seis opúsculos, vinte e seis livros e mais de quatrocentos artigos editados, versando a maioria deles sobre literatura e autores de língua portuguesa.

Desenvolvendo uma intensa atividade literária, cultural e artística, que se projeta no campo editorial e na defesa da cidadania e da justiça, Dimas Macedo publicou, em 1997, pela Editora Oficina, de Fortaleza, o livro Tempo e Antítese, sobre a poesia de Pedro Henrique Saraiva Leão e, em 2002, pelo Museu da Gravura do Ceará, o livro A Face do Enigma, este último sobre a trajetória biográfica e a obra literária do grande escritor cearense José Alcides Pinto.

Consta, no’seu currículo literário, parcerias com diversos músicos e artistas plásticos cearenses, entre eles André Lopez, Augusto Lima, Ronaldo Lopes, Fátima .Santos, -Dumar, Costa Senna, César Barreto, Luiz Carlos Prata e Nonato Luiz (no campo da virtuose musical) e Geraldo Jesuíno, Eduardo Eloi, Cláudio César, Wando Figueiredo, Mano Alencar, Fernando França e Audifax Rios (no âmbito do trabalho com a gravura e a criação editorial).

Apaixonado pelas origens históricas e pelo patrimônio cultural e humano do povo cearense, Dimas escreveu mais de uma centena de prefácios e apresentações de escritores do Ceará e do Brasil, tendo organizado, para a Coleção Alagadiço Novo, da UFC, os livros Ficção Reunida (1994), de Durval Aires, e Ensaios e Perfis (2001), de Joaryvar Macedo.

Além dos autores acima referidos, cujo o acervo continua divulgando, resgatou e publicou a obra literária dos dois principais poetas do romantismo cearense: Barbosa de Freitas e Joaquim de Sousa, sendo responsável também pelo espólio de escritores como Afonso Banhos, João Clímaco Bezerra e Caetano Ximenes Aragão.

Sobre a sua terra de berço publicou artigos na imprensa do Cariri e do Nordeste e escreveu os seguintes livros Lavrenses Ilustres (1981, 2a ed., Edições SECULT /BNB, 1996) e Lavras da Mangabeira – Roteiros e Evocações (1985), sendo autor, também, de Notas para a História de Alto Santo (1988) e Bibliografia – Roteiro para Pesquisadores (Fortaleza, 2004, 2a ed. 2007).

É detentor da Medalha do Mérito Legislativo da Câmara Municipal de Lavras da Mangabeira, da Medalha da Ciência e Cultura, da Fundação Cultural de Fortaleza, e da Medalha do Centenário de Morte de Cruz e Souza, outorgada, esta última, pelo Governo de Santa Catarina, sendo ainda autor do livro Marxismo e Crítica Literária, publicado em Florianópolis/SC, em 2001.

No âmbito da justiça e da cultura jurídica, é Advogado e Mestre em Direito, Professor de Direito Constitucional e Chefe do Departamento de Direito Público da Faculdade de Direito da UFC e Procurador do Estado do Ceará, além de membro do Instituto dos Advogados Brasileiros e do Instituto Brasileiro de Direito Constitucional, disciplina na qual é especialista, sendo considerado também um dos constitucionalistas cearenses de maior destaque.

Foi Diretor do Departamento de Assuntos Culturais da Secretaria de Cultura e Desporto, Coordenador da Assessoria Jurídica da Secretaria do Governo, Assessor da Comissão da Reforma Administrativa, Membro do Conselho Estadual de Recursos Hídricos e Presidente da Comissão Especial de Licitação dos Serviços de Publicidade do Governo do Estado.

Consultor da Agência Brasileira de Cooperação, junto ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Dimas dirigiu no Ceará o Instituto Nacional de Ação Popular e Defesa da Constituição e foi Presidente da Cooperativa de Cultura do Ceará LTDA, tendo integrado ainda a Comissão Central de Extensão da UFC e o Conselho Regional da Associação Brasileira de Recursos Hídricos.

Membro-lnstituidor e Professor da Escola Superior da Advocacia e da Fundação Paulo Bonavides, tem ministrado aulas igualmente na Escola Cearense de Formação de Governantes, na Escola Superior do Ministério Público, na Escola Superior da Magistratura e na Universidade de Fortaleza – UNIFOR, em cursos de graduação e pós-graduação e sempre na área do Direito Constitucional, tendo exercido, nesta última instituição, os cargos de Chefe do Departamento de Direito e Coordenador Adjunto do Curso de Direito.

Presidente da Comissão de Direito Ambiental da Procuradoria Geral do Estado, membro da Comissão de Direitos Humanos, da Comissão de Estudos Constitucionais e Vice-Presidente da Comissão de Ensino Jurídico da OAB – Ceará, o Prof. Dímas Macedo tem artigos de sua autoria publicados em revistas jurídicas especializadas, entre elas a Revista Nomos, do Curso de Mestrado em Direito da UFC; a Revista de Humanidades, do Centro de Ciências Humanas da UNIFOR; a Revista de Informação Legislativa, do Senado Federal; a Revista da Faculdade de Direito da UFC; a Revista dos Tribunais – Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política, da Editora RT; a Revista Trimestral de Direito Público, da Editora Malheiros, São Paulo; e a Revista Latino-Americana de Estudos Constitucionais, sendo ainda autor dos livros Ensaios de Teoria do Direito (1985, 3a ed., São Paulo, Edicamp, 2003), O Discurso Constituinte/Uma Abordagem Crítica (1987, 2a ed., Casa de José de Alencar / UFC, 1997), Pesquisas de Direito Público (2001), Política e Constituição (Rio, Editora Lúmen Júris, 2003) e Filosofia e de Filosofia do Direito, Sociologia Política e Direito Constitucional.

Na área da Pós-Graduação, além do Mestrado em Direito da UFC, tem lecionado as disciplinas Teoria do Estado, Organização Federativa do Estado e Normas e Princípios Constitucionais, tios Cursos de Especialização em Direito Tributário e Direito Constitucional, na Universidade de Fortaleza; Processo Constitucional e Teoria dos Direitos Fundamentais, nos Cursos de Aperfeiçoamento de Magistrados e Pós-Graduação em Processo Civil, na Universidade Federal do Ceará; e Direito Constitucional Ambiental, no Curso de Pós-Graduação em Direito Ambiental, na Universidade Estadual do Ceará.